21 de agosto de 2008

O Natal é Gordo e Feio!!!




Dia 21 de Agosto de 2008, Faro, Faz muito calor lá fora!
Eu gosto do verão, sinceramente que gosto, mas para mim nesta época do ano é que os Tugas assumem a sua verdadeira identidade, migram incondicionalmente para as praias do Algarve e ai começa a confusão, passam nas filas, apitam uns aos outros as crianças choram, as mulheres gritam e o homem bebe cerveja e deita lixo para a areia da praia. É cada um por si, mas eu acho que assim é que é bom, ser o que realmente somos, não é como outras alturas do ano em que somos influenciados por todo o espírito de uma celebração ridícula... o Natal. Aiiiii, como eu detesto o natal.
No natal acordo, ligo a televisão e lá está a rosinha que faz xixi ou o action man que urina de verdade, à hora de almoço em vez de um telejornal, inevitavelmente vou assistir a um daqueles filmes estúpidos sobre o natal que repetem todos os anos, se sair à rua ainda é pior, parece que lá fora ainda é mais natal, há luzinhas a piscar por todo o lado, aquele velho CD de há 10 anos a tocar as mesmas 3 musicas todo o dia, sim aquelas musicas contagiantes que não nos vão sair da cabeça durante os próximos dias. Não gosto do natal, o natal é estúpido e ninguém me convence do contrário, o natal é a festividade mais hipócrita que já inventaram, no natal todos querem paz, amor e um mundo melhor mas se for Agosto cagamos no mundo melhor e fazemos parte dos números da abstenção nos referendos para o aborto, trocamos o mundo melhor por um belo dia nas praias lotadas do Algarve, no natal as ruas estão enfeitadas, todos somos mais sensíveis e ajudamos o próximo, é aquela altura do ano em que a família se junta toda à volta da lareira, nós recebemos meinhas e boxers dos chineses e enquanto mastigamos uma filhós, damos um sorriso amarelo para a aquela tia chata que detestamos e que há 5 anos nos dá aqueles boxers foleiros que alguém se lembrou de oferecer ao seu marido no natal passado. Pá, eu detesto o natal, não a nada a fazer, esta altura do ano é deprimente. Porque raio existe o natal? Porque dois brancos e um preto uma noite, montados num camelo, se lembraram de dar ouro e mirra a um puto cheio de frio? E o que é que o Pai Natal tem a ver com esta história? Que eu saiba ele não aparece no presépio, quer dizer, eu levo os dias a ouvir dizer que a Coca-Cola faz mal e que devia deixar de a beber mas no natal, no natal, quem é a personagem principal? Claro o Pai Natal… o que não deixa de ser sinistro nos dias que correm, se não reparem, um velho, gordo, barbudo, com miopia, que usa roupas ridículas e que gosta de andar com criancinhas ao colo parece-me no mínimo alarmante. Felizmente tudo acaba logo, e no dia seguinte ao natal estou livre, já ninguém se lembra de falar ao vizinho, nem de ajudar a velhinha a passar a passadeira, volta tudo ao cinismo habitual, a indiferença de mais um dia igual a tantos outros…enfim voltamos aos dias normais, as noticias voltam a ser chocantes mas ninguém quer saber, os mendigos continuam na rua ao frio, e as crianças em África morrem de fome, mas nós cá estamos felizes e despreocupados … sim completamente felizes… porque afinal já não é natal!

É natal, é natal, morrem criancinhas, não faz mal, não faz mal, ficam mais prendinhas…ui e as letras das canções de natal? Se quisesse falar delas escrevia durante mais duas horas... mas isso é outro assunto...


3 comentários:

Hugo Ferreira disse...

o natal é uma fantochada! épa ja ouvi dizer que o pai natal nem sequer existe!

daniela disse...

o pai natal existe sim! isso sao td tretas...

Célia disse...

grande opinião, Luís, até hoje é o argumento melhor defendido em torno do natal. não pude deixar de me passar para o teu lado (não é que desde que despi a minha veste de criança o tenha alguma vez apreciado). para cúmulo o freddy mercury começou a cantar-me aos ouvidos 'the great pretender' - acrescento que tal coisa é o natal.